Crônicas de Solteirice: Tinder e sobre gostar da sua própria companhia

Olá migas phynas! Hoje o post não é sobre moda, beleza, mas sobre nós. Vou fazer uma nova coluna no blog porque sei lá, me deu vontade e eu faço o que eu quiser, flw vlw (desculpa, não sou tão mal educada assim).

Vou fazer crônicas de solteirice, porque, como todo mundo sabe, eu sou sempre sozinha, não namoro há anos e no começo isso foi motivo de muita paranoia, mas hoje em dia eu curto muito. Não é que eu não queira namorar, acho que todo mundo sente falta de ter alguém do lado, mas hoje isso não é algo que me deixe mal. Muito pelo contrário, ser solteira tem muitas vantagens, e se aparecer alguém legal, no momento que eu tô vivendo, vou ser uma namorada muito legal.

keep-calm-im-a-single-lady-just-fun

Mas claro, não é porque você é solteira e não tá à procura de um príncipe encantado que você vai obrigatoriamente ficar sozinha. E estamos em 2015, né amores, a tecnologia tá aí pra facilitar isso mesmo. O que não falta é aplicativo de pegação pra facilitar a vida de quem tem preguiça de sair pra paquerar. Sim, porque uma das desvantagens de ser solteira é ter que conhecer gente. Sabe, aquela necessidade de sair pra balada e ter que pegar alguém, ou ir pra um bar com os radares ligados pra captar possíveis interceptações amorosas. Só porque muita gente ainda tem a mania de dizer “você precisa sair de casa, conhecer gente!”. Não, não precisa.

Acho que o grande erro que os solteiros cometem é a criação de expectativas do tipo “vou sair de casa e vou conhecer alguém legal”, aí você não conhece por N motivos e volta pra casa frustrado, se sentindo um lixo. E vamos combinar, balada não é muito o lugar de conhecer alguém legal. Não tô dizendo que não acontece, mas é mais difícil desenvolver uma conversa com um cara que você deu uns beijos, trocou whatsapp, mas às vezes nem lembra o nome. Pode acontecer? Claro que pode. Mas você pode conhecer alguém legal na fila do banco, ou num aplicativo de pegação. Não tem lugar específico e você não tem que se cobrar por isso.

E a solteirice é a fase mais legal de se divertir sem cobranças. Eu não sei porque ainda se tem aquela necessidade de se cobrar ter alguém. Eu me cobrava muito, todo mundo se cobra em algum momento, mas aí você percebe que “e daí que eu tô solteira? eu vou aproveitar” e a vida fica muito mais legal! E vai dizer que você, solteiro, nunca ouviu de alguém que namora “Nossa, que saudades de ser solteiro, aproveita e não namora agora não”? Hahahaha claro que é ótimo namorar, mas é ótimo ser solteiro também, e o melhor da vida é aproveitar o melhor de cada fase da sua vida, sem se atropelar.

Sem mais delongas, em pleno 2015, ainda tem gente que tem preconceitos com conhecer gente na internet. Mais especificamente, em apps de pegação, tipo o Tinder. Eu uso o Tinder e não escondo de ninguém, já conheci gente legal, já conheci gente bizarra e já dei muita risada com o Tinder. Inclusive, eu fiz um post só com as minhas aventuras no Tinder! 

tinder
Gato, me concede a honra desse match?

Claro que super entendo quem tem medo e quem não gosta mesmo dessa forma de conhecer gente, mas eu acho tão válido quanto conhecer uma pessoa em qualquer outro lugar. Veja bem, eu sou tímida, não sou do tipo de mulher que chega num cara na balada ou em qualquer outro lugar porque tenho vergonha mesmo, e isso não tem nada a ver com ser mulher e achar que “ai mimimi mulher não pode chegar em homem”. Longe disso, mas eu tenho vergonha até de falar com amigos dos meus amigos que eu não conheço. Só se eu tiver muito bêbada mesmo e aí eu posso acabar nem lembrando do cara no dia seguinte (e sim, já aconteceu). Então, pra mim o Tinder já facilita esse lado, assim como o twitter, o facebook e qualquer outra rede social. E eu não tenho vergonha de ter meu perfil lá e um conhecido meu me ver, que eu acho que esse é o grande tabu de muita gente (ainda!). Com o perdão da palavra, mas foda-se, sabe? Eu sou solteira, qual o problema de mostrar que eu tô mesmo num app de pegação, e que meu intuito lá é esse mesmo?

Se tem gente bizarra, cara comprometido e sem noção? Nossa, é o que mais tem. Mas é tipo na vida “real”, você usa seu filtro pra cair fora dessas roubadas. E lá é muito mais fácil se livrar desses doidos, é só descombinar e segue em frente, tem outros matchs. E o medo de encontrar pessoalmente? Isso não é uma exclusividade do Tinder, e, francamente, somos adultos e sabemos todas as regrinhas na hora de conhecer alguém da internet, né?

Uma das perguntas que os caras mais fazem lá é “o que você procura no Tinder?”. É complicado responder, acho que relacionamento a gente não procura, conquista. Eu quero só conhecer gente legal, pra conversar, dar risada, se rolar, ok! Se não, ok também! Não é porque eu sou solteira que eu tenho que me cobrar e tentar desenvolver uma conversa a todo custo.

A lição do dia é: não se cobre. Não se cobre namorar ou ficar solteira também, se isso te faz mal. Tem gente que precisa namorar, nem todo mundo é igual e isso é muito ok! Não julgue quem emenda um namoro no outro e muito menos que fica muito tempo sem namorar, cada um sabe das suas necessidades e vontades. E se a sua vontade é se jogar no tinder e abrir as portas da pegação, o faça sem medo! Agora, se a sua vibe é outra, se você tem medo ou simplesmente acha bizarro escolher os caras como um rodízio de churrasco, ok também! Quando tiver que acontecer, vai acontecer. E se você conheceu um cara num Tinder da vida, não precisa ter vergonha de contar pros seus amigos que foi lá e inventar que vocês se conheceram na igreja hahahaha. A vida fica tão mais leve quando você se ama em primeiro lugar e para de se cobrar por convenções que os outros te impõem!

Depois que eu aprendi a gostar de ser solteira, nunca mais fiquei sozinha! Espero que a gente possa se falar mais sobre isso daqui pra frente. E gato, se você me achar lá no Tinder, aperta o verde, tá?

Ana Paula de Almeida

24 anos, jornalista, apaixonada por moda, redes sociais, Netflix e playlists do Spotify. Caipira morando na cidade grande e que ainda pega ônibus errado

Ela